Por Glauco Cortez

Mapas de kernel das taxas de criminalidade
Mapas de kernel das taxas de criminalidade –

Um estudo, feito por pesquisadores da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista (FCT/Unesp), e apresentado em evento científico da Sociedade Internacional de Biometria, no ano passado (2014), mostrou que nos últimos 20 anos criminalidade no estado de São Paulo aumentou e foi espalhada em direção ao interior.

O estudo, feito pelos pesquisadores Guilherme Aparecido Santos Aguilar e Vilma Mayumi Tachibana, mostram que disseminação da violência pelo estado está ligada à política de construção de presídios no interior.

A conclusão do trabalho não deixa dúvida e é visível no mapa (imagem acima): “A criminalidade cresceu em praticamente todo o estado de São Paulo, com raras exceções de alguns municípios, porém o fato de novas penitenciárias terem sido instaladas no interior mostra um aumento muito maior nestas cidades. Os municípios do oeste paulista que possuem presídios tiveram um aumento maior do que os outros municípios, maior até mesmo que a capital e os municípios próximos a ela, que também possuem presídios. Pode-se dizer que as penitenciárias causaram um grande impacto na taxa de criminalidade no interior”.

De acordo com o texto dos pesquisadores, a ideia alardeada pelo governos do PSDB nesses 20 anos de governo no estado de São Paulo mostrou-se falsa e de um economicismo medíocre. Isso porque privilegiou a indústria da violência com gerador do desenvolvimento no estado em detrimento da educação e combate a desigualdade econômica e social.

“O processo de interiorização do sistema penitenciário, uma questão política econômica, parecia ser bom para a capital e para o interior. Era esperada uma redução de crimes na capital e no interior a geração de empregos na construção e manutenção dos presídios. Porém a vinda dos presos para o interior trouxe problemas antes não discutidos: não era apenas o encarcerado que se movia para o interior, mas a sua família também, com isso após o cumprimento da pena essa pessoa tem grande chance de se fixar nesse local. Nos feriados em que os presos possuem o direito de sair em condicional, ocorrem fugas, roubos e furtos”, anotaram os pesquisadores.

Para realizar o estudo, os pesquisadores utilizaram a Estatística Espacial com dados de total de crimes cometidos nos municípios paulistas durante o período de 1997 a 2007. (Veja estudo completo)