CartaCampinas
Tag Archives: Vida

O Homo Pekinensis e O Mundo: nas voltas que o tempo dá .Por Francisco Foot Hardman. A única certeza: ainda estou aqui. E aqui vou ficar por um bom tempo. Quais sinais de duração além do relógio, do calendário? Do Ocidente que...

.Por Roberto Ravagnani. Uma das “desculpas” para não se engajar em um trabalho voluntário ou uma ação social qualquer é a falta de tempo. Realmente o relógio parece que anda contra nós, quando olhamos já é hora de almoçar,...

No próximo dia 24, sexta-feira, às 20h, o Teatro de la Plaza apresenta o espetáculo “O Autômato” no Teatro do Sesc Campinas, um espetáculo de animação de objetos para o público adulto. (Foto: Berenice Farina) Um...

.Por Roberto Ravagnani. (imagem cocoparisiense pl) Minha pressa e ânsia em responder a esta pergunta poderia fazer com que eu escrevesse somente: Muita coisa boa. Mas como sei que seria altamente criticado por ter uma coluna com somente duas...

(foto avi acl cc) .Por Eduardo de Paula Barreto. O Sol brilha para os outros Os rios saciam outras sedes As árvores sombreiam outros corpos Os ventos refrescam outras peles E os pássaros canoros Oferecem lindos coros Para outros passarinhos A...

(foto bruno costa silva cc) .Por Eduardo de Paula Barreto. Deixe-os deitados nas redes No aconchego das ocas Sonhando com as verdes Folhas de mandioca Deixe-os correr pelados Com os pés enlameados Com o húmus da floresta Deixe-os...

(imagem pezibear cc) .Por Eduardo de Paula Barreto. São tantas as coisas belas Que bela deixam minha vida Vão-se as trancas da janela E por ela entram margaridas Que do quarto fazem jardim E eu parto para dentro de mim Vivendo sonhos perfumados Em...

(foto do acervo pessoal de Luís Fernando Praga) .Por Luís Fernando Praga. Neste dia 02/02 começa a circular este pitoresco “expresso”, que usa o pequeno, mas sempre maior que o 1, número 2, a fim de demonstrar as ambiguidades...

.Por Eduardo de Paula Barreto. Sem cautela sugam a riqueza Que dorme latente no chão E formam podre represa Com os rejeitos da exploração Que como lago de lama Por liberdade reclama Até romper as barreiras E à destruição se entrega Ao...

.Por Luís Fernando Praga. Sem água eles morriam em 3 dias; e nada era mais vital que a água. Não tinham tempo de pensar poesias, de rir da vida ou de sofrer de mágoa. Cuidavam sempre de seus pés cansados de espinhos, do chão seco e de...