.Por Verônica Lazzeroni Del Cet.

O incentivo à leitura pode acontecer por meio dos familiares, pelo papel da escola ou por projetos, como o “Projetos de Leitura”, que já atua no Brasil há 20 anos.

(fotos: divulgação – arquivo pessoal)

O “Projetos de Leitura” atua ao longo do ano inteiro – com datas específicas – e já doou milhares de obras para ONGs, escolas públicas, contadores de histórias e para outros projetos com objetivo semelhante: o de incentivar a prática da leitura.

“A nossa proposta é formar leitores. Acreditamos que é possível em todos os lugares”, conta Laé de Souza, coordenador do Grupo Projetos de Leitura. “Atuamos em hospitais, grupos de terceira idade, em praças, parques, estações de ônibus, metrôs, aeroportos e, principalmente, em escolas que, com atividades bem conduzidas, conseguem formar leitores por toda a vida.”, complementa o coordenador.

Além disso, o “Projetos de Leitura” já participou de feiras importantes, como a Bienal do Livro em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Bahia. A participação também marcou presença em feiras infantis, congressos de educação e festivais literários.

Inclusive, com o intuito de democratizar o acesso da população brasileira à leitura, o “Projetos de Leitura” vende, desde 2005, livros por preços de custo em locais de grande fluxo de pessoas, como na Praça da Sé, em São Paulo. Tal projeto é conhecido como “Caravana da Leitura”.

Além da venda de exemplares por preços baixos, o grupo doou – só em 2018 – mais de 4.000 livros para escolas públicas e instituições de ensino e, em 2016, doou o total de 12.000 livros para escolas e instituições.

O projeto, ao realizar as atividades, conta com apoio do escritor e idealizador da ideia, Laé de Souza. Ele – que doa diversos livros para venda por preços baixos – oferece também atividades direcionadas aos professores, por meio de palestras para motivá-los sobre a criação de novos leitores.

As palestras também são oferecidas aos estudantes de diferentes lugares do país e sempre são ministradas pelo escritor.

Projetos de Leitura

Um projeto que tem muita força e que vem dando certo é o “Leia-me e me esqueça por aí” que acontece anualmente – também em datas específicas – com a proposta de deixar livros espalhados em locais públicos. Todos os livros “esquecidos” têm etiquetas grudadas neles com o título do projeto. Dessa forma, outros podem participar também da ideia. “Na primeira página é solicitado ao leitor que se torne parceiro e após a leitura deixe o livro em outro local”, explica o escritor.

E esse não é um projeto recente. Em outubro de 2010, foram espalhados e “esquecidos” 2.000 livros em locais públicos da cidade de São Paulo. O “Projetos de Leitura” busca também incentivar o conhecimento sobre datas importantes e que remetem à leitura, como exemplo, o Dia Nacional do Livro ou o Dia do Escritor.

Ao longo de vários anos, diferentes projetos e doações foram realizadas em grandes centros urbanos para comemorar tais datas temáticas.

Até mesmo nas festas de fim de ano – especialmente durante a época do Natal – cestas de alimentos são doadas com livros. As cestas contam com obras infantis, juvenis e para o público adulto, sendo todas doadas para funcionários de empresas que desejam aderir a ideia do projeto “Livro na Cesta”. Essa prática visa atender funcionários de empresas preocupadas com o incentivo à leitura de seus profissionais.

No total, são nove iniciativas que o Grupo Projetos de Leitura gerencia. E cada uma delas com um público alvo específico. Para as escolas públicas, os projetos “Ler é Bom!’, ‘Minha Escola Lê” ou o “Lendo na Escola” atuam com os professores e profissionais das escolas entre os meses de março até setembro. “No projeto em escolas, são doados os livros e materiais para as atividades, acompanhados de um manual para o professor conduzir os trabalhos”, diz o coordenador.

Ao final, todos os estudantes podem participar de um concurso literário realizado na escola, com a escrita de um texto. “Os melhores farão parte de uma obra editada anualmente”, conta o escritor e coordenador Laé de Souza.

Mas a intenção é levar livros e o hábito de ler para todas as idades, por isso até os idosos conseguem participar graças ao projeto “Leitura Não Tem Idade”. Esse projeto acontece em parceria com Grupos da Terceira Idade de qualquer lugar do país. A iniciativa procura realizar leituras compartilhadas de textos e a discussão em grupo.

Além dos públicos mencionados, o projeto “Dose de Leitura” visa atender pacientes e seus familiares. Nos quartos ou recepções dos hospitais, vários livros são disponibilizados para quem desejar ler. Há obras infantis, juvenis e até para o público adulto.

Algumas obras também ficam disponíveis em um carrinho que circula pelos hospitais, fazendo com que diferentes obras cheguem até os funcionários, acompanhantes ou pacientes.

“Este ano, estamos atendendo por meio do projeto “Dose de Leitura” o Acre, Bahia, Espírito Santo, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Sergipe, São Paulo e Tocantins”, explica Laé.

O Projetos de Leitura conta com contribuições de empresas ou pessoas físicas. Além disso, é possível participar como voluntário das atividades. “Recebemos inscrições de voluntários pelo nosso site e, sempre que há algum evento na região em que temos voluntários inscritos, fazemos contato para ver a possibilidade de participar da ação”, diz.

Com o livro certo, o hábito e o prazer em ler podem transformar a vida de estudantes, idosos ou até pacientes, mas é necessário investir em atividades complementares, para dessa forma estimular a leitura. “É preciso encontrar maneiras de fazer com que a pessoa descubra o prazer em ler”, explica o coordenador.

Laé de Souza ainda comenta sobre as conquistas que o Grupo Projetos de Leitura já teve. “A maior conquista é sabermos que contribuímos para um país leitor. Nossos projetos já passaram por mais de 6 mil escolas e plantamos a semente de que é possível formar leitores”, relembra.

Site do Projetos de Leitura