Até o dia 24 de novembro, pode ser vista no Sesi Amoreiras, em Campinas, a exposição “Ogbom Itan – A arte a história das Áfricas no Brasil”, com curadoria de Andrea Mendes.

O projeto propõe um olhar descolonizado para a trajetória e a memória dos povos africanos, resgatando suas raízes por meio da arte. A exposição pode ser vista de terça a sábado, das 9h às 20h, exceto feriados. A entrada é gratuita.

Do yorubá, família linguística nígero-congolesa, a palavra Ogbon significa sabedoria, criação e arte. Ao mesmo tempo, Itan remete à história verdadeira que será contada. É este o objetivo da exposição: contar a narrativa dos povos africanos sob a perspectiva deles.

A exposição reúne 57 obras de 11 países africanos, como esculturas e máscaras em madeira, bronze e marfim, pinturas, ornamentos, indumentárias, objetos religiosos, decorativos e instrumentos musicais.

Cada item contribui para um novo olhar sobre a história da África, suas singularidades e riquezas, ressaltando as diferentes características e composições dos povos. Além disso, a mostra estabelece uma conexão entre a cultura brasileira e as raízes africanas, dando um novo sentido à história do continente.

A mostra leva ao público parte do acervo do Instituto Cultural Babá Toloji, que contempla o trabalho de países como a Costa do Marfim, Nigéria, Gana, Congo, Benin, Serra Leoa, Mali, Camarões, Angola, Gabão e Etiópia. A coleção possui 11.500 peças provindas desse continente, datadas dos séculos XX e XXI. Fundado em 1999 pelo colecionador, artista e líder religioso de culto afro, Luiz Antônio Castro de Jesus, o instituto atua diretamente na difusão da arte e da cultura africana. (Carta Campinas com informações de divulgação)

Ogbon Itan – A arte e a história das Áfricas no Brasil
Local: Teatro do SESI Campinas (Amoreiras)
Data da vernissage: 4 de outubro às 19h
Datas e horários: De 4 de outubro a 24 de novembro. De terça a sábado, das 9h às 20h, exceto feriados.
Informações: 19 3772 4169 ou caccampinas1@sesisp.org.br
Entrada gratuita