A exposição “Matriarcas” sai da Estação Cultura e inicia uma jornada pela cidade itinerando por diversos espaços. O primeiro local é a Casa de Cultura Tainã, onde ocorreu a primeira roda de conversa do projeto que originou a exposição a partir do mapeamento dos retratos das memórias, saberes, fazeres e a herança cultural da potência feminina. O projeto “Matriarcas” é mergulho no universo feminino da cultura popular e foi contemplado pelo Edital nº 26/2018 do Programa de Ação Cultural da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo.

(Foto: Fabiana Ribeiro)

Os imensos retratos das mulheres impressos em tecido circularão por espaços fora da região central da cidade e serão visitados pela população, por estudantes de escolas públicas, organizações não governamentais que se encontram próximas aos espaços de itinerância.

A abertura da exposição “ Matriarcas” acontecerá no dia 10 de agosto (sábado) na Casa de Cultura e contará com diversas ações como a gravação do Programa de Auditório dos Pontos de Cultura de Campinas intitulado Batida de Ponto com a temática do Patrimônio Imaterial de Campinas, contará também com apresentação de grupos de Cultura Popular e o lançamento da publicação “ Matriarcas – Retratos das Mulheres na Culturas Populares e Tradicionais do Estado de São Paulo”.

A mostra reúne vários elementos simbólicos do universo feminino e a da cultura popular. As fotos, nas dimensões 2,50 metros x 1,50 metro, são impressas em tecido que passou por um trabalho artesanal de bordado, realizado por Martha Alves, ex-integrante do Urucungos. As fotos são acompanhadas de textos que narram um recorte da trajetória dessas mulheres. 

Durante o decorrer do projeto, iniciado no final de 2018, a autora Fabiana Ribeiro conversou com mulheres, comunidades e grupos, resultando em retratos de 22 mulheres, cerca de 600 imagens das atividades e mais de 20 horas de gravações. 

“O projeto reconhece a importância de trazer para a narrativa o ponto de vista de um dos segmentos mais invisíveis, anônimos e discriminados da sociedade brasileira: as mulheres. E dentro do segmento, dar a devida visibilidade às mulheres negras”, destaca a autora, lembrando, ainda, das homenagens “a Vó Geralda, mãe de TC Silva, da Casa de Cultura Tainã, que faleceu em 2018, aos 101 anos”.  

Segundo Fabiana, foram retratadas 22 mulheres: Ana Miranda , Sinhá Rosário, Manô, Luiza e Maria Lúcia, Maria Angélica e Ivanir, do Urucungos; Alessandra Ribeiro, Maria Alice Ribeiro, Jacinta Brito e Lúcia Castro e Vera Zuin, da Comunidade Jongo Dito Ribeiro. Das Caixeiras das Nascentes,  Cristina Bueno e sua mãe Dolores Bueno; Mãe Iberecy, Adriana Gama e Marilene Honorato, do Ibaô.

Em Hortolândia, Mãe Eleonora e Mãe Eliana. Ernestina Estevam, a Dona Tina – mãe de Alceu Estevam, assim como Rosa Pires, viúva de Mestre Alceu, também tiveram seu registro fotográfico realizado. 

União em Rede – Programa e Exposição se entrecruzam em uma programação conjunta sobre patrimônio imaterial e que homenageará a Matriarca Ana Miranda

A programação do sábado – 10 de agosto –  terá início a partir das 17h com a gravação e transmissão ao vivo pela internet de mais um programa de auditório dos Pontos de Cultura de Campinas. Nesta edição, o “Batida de Ponto” trará a temática Patrimônio Imaterial de Campinas e homenageará Ana Miranda como Mestra Griô da Cultura Popular que também é uma das Matriarcas retratadas na exposição fotográfica “ As Matriarcas” que compõe a cenografia ambientando o programa de Web TV . Todas as mulheres que participam do programa foram retratadas pelo projeto.

A Casa de Cultura de Tainã, o espaço afro cultural que inspira a criação do Programa Cultura Viva e dos Pontos de Cultura, se transformará em um Estúdio de TV, tendo como apresentadora do programa Alessandra Ribeiro, mestra jongueira da Comunidade Jongo Dito Ribeiro e gestora cultural da Casa de Cultura Fazenda Roseira que também é uma das matriarcas  fotografadas.

O programa reunirá as mestras e mestres da cultura popular, tradicional e de tradição oral, pessoas que atuam na proteção e transmissão do Patrimônio Imaterial em Campinas. Entre as mulheres retratadas pelo projeto estão Mãe Eleonora, Rosa Pires Sales e a homenageada da noite : Ana Miranda. Mestre Davi Rosa (Ponto de Cultura e Memória Ibaô), Mestre Tião Mineiro (Companhia de Santos Reis Ases do Brasil) e Benê Moraes (Grupo Savurú) completam o quadro das referências do Patrimônio Imaterial da cidade.

O público poderá participar tanto nos estúdios da Tainã, quanto pela Internet e conferir apresentações artísticas e culturais, entrevistas, participações e falas que traçam uma um panorama atual sobre o Patrimônio Imaterial de Campinas.

Produzido pela Rede dos Pontos de Cultura de Campinas, Pontão de Cultura Areté,  Ponto de Cultura NINA, Casa de Cultura Tainã e Fazenda Roseira, , Coletivo Socializando Saberes e TV Comunitária Cidade Livre – Rio Claro, o programa de auditório é realizado e transmitido ao vivo em formato WEBTV, pelo site socializandosaberes.net.br Desde sua primeira edição, em 2013, traz ao público pautas, histórias, saberes e fazeres dos Pontos de Cultura.  (Carta Campinas com informações de divulgação)

Matriarcas

De 10 de agosto a 8 de setembro

Casa de Cultura Tainã

(Rua Inhambu, 645 – Vila Padre Manoel de Nóbrega, Campinas)

Abertura: 10 de agosto

17h – Programa de WEBTV Batida de Ponto – Patrimônio Imaterial em Campinas

assista ao vivo por: socializandosaberes.net.br

19h – Abertura da Exposição

Apresentação

Caixeiras das Nascentes, Urucungos Puitas e Quijengues e Samba de Bumbo Nestão Estevam

Lançamento do livro fotográfico “Matriarcas”

De 12 de setembro a 10 de outubro

Casa de Cultura Itajaí

(Rua Benjamin Moloisi, 669 – Conj. Hab. Parque Itajaí, Campinas)

Abertura: 12 de setembro às 19h

Exibição do curta “Matriarcas”

Todas as ações são gratuitas

Visitas monitoradas e agendamentos para escolas e grupos:matriarcaspaulistas@gmail.com