Depois de 30 anos de dedicação à Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUCCAMP), o professor de Direito e renomado jurista Jose Henrique Rodrigues Torres foi demitido, sem explicação. Fala-se em motivação ideológica, devido aos seus posicionamentos democráticos e humanistas, com intervenções e artigos favoráveis à descriminalização do uso de drogas e à legalização do aborto.

(foto divulgação coleção autores)

Segundo a coordenadora da Secretaria de Relações Internacionais da Contee, Maria Clotilde Lemos Petta, “a PUCCAMP perde um profissional brilhante, competente, defensor das boas causas e um professor dedicado, referência para a nossa categoria. Sua demissão empobrece a PUCCAMP e a instituicao deve um esclarecimento sobre as razões da demissão. Seu caso exemplifica uma situação que deve estar sendo muito comum em todo o Brasil: a instituição demite sem esclarecer as razões”.

Dr. Torres é membro da Associação Juízes para a Deemocracia. Possui graduação em Bacharelado em Direito pela Faculdade de Direito de Bauru(1980), especialização em Direito das Relações Sociais pela Faculdade de Direito de Bauru(1984), especialização em Direito Processual Penal pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo(1982) e ensino-medio-segundo-grau pelo Instituto Estadual de Educação Dr Cardoso de Almeida(1976). É juiz de Direito da Escola Paulista de Magistratura, Professor do Curso Ductor, Assistente Jurídico do Legião Brasileira de Assistência, Assessor do Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia – SP e Membro do Grupo de Estudos sobre Direitos Sex da Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia – SP.

Ele escreveu a carta abaixo, comunicando o fato às pessoas queridas:

[email protected]

Ontem, recebi a comunicação de minha “demissão” da PUCCAMP a pedido da Direção da Faculdade de Direito.

Lamento, profundamente, pois, nesses últimos trinta anos de lealdade à PUC e dedicação à ensinagem, as veredas da minha vida confundiram-se com os caminhos que me levavam pelos corredores da Faculdade de Direito ao encontro dos meus amados alunos e alunas, sempre sob “a mágica presença das estrelas”, como diria Quintana.

Sempre acreditei em uma educação libertadora, capaz de transformar o mundo em um mundo mais justo e mais humano.

E isso, para mim, foi sempre libertador e transformador!

Agora, resta-me continuar a minha caminhada, em busca do horizonte, levando no coração todos vocês, [email protected] e inesquecíveis [email protected]!

Um longo e afetuoso abraço.

E, como aprendi com Drumond,

“Não serei o poeta de um mundo caduco.

Também não cantarei o mundo futuro.

Estou preso à vida e olho meus companheiros.

Estão taciturnos mas nutrem grandes esperanças.

Entre eles, considero a enorme realidade.

O presente é tão grande, não nos afastemos.

Não nos afastemos muito, vamos de mãos dadas!

Não serei o cantor de uma mulher, de uma história!

Não direi os suspiros ao anoitecer, a paisagem vista da janela.

Não distribuirei entorpecentes ou cartas de suicida.

Não fugirei para as ilhas nem serei raptado por serafins.

O tempo é a minha matéria,

o tempo presente, os homens presentes

A vida presente” (da página do Contee)