CartaCampinas
Eduardo de Paula Barreto

Não me contendo com os cinco sentidos, por isso escrevo.

(imagem gordon johnson – pl) .Por Eduardo de Paula Barreto. As máscaras dos hipócritas Tornaram-se transparentes E as candidaturas mitológicas Mostraram-se incompetentes Para lidar com a realidade De um País que na verdade Precisa...

(foto: glady – pl) .Por Eduardo de Paula Barreto. A lagarta conservadora Rejeitou a chegada do futuro E por causa de tal escolha Morreu seca no casulo Enquanto o girino progressista Aceitando as nuanças da vida Dirigiu-se para fora do...

.Por Eduardo de Paula Barreto. Chega, é hora do bastaRendam-se servos do malQue ao invés de doces balasDistribuem balas de metalQue voam a esmoNos lugares ermosCruzando distânciasInsípidas balas perdidasQue abreviam a vidaDe inocentes...

(imagem gerd altmann – pl) .Por Eduardo de Paula Barreto. O Brasil em agonia Vê-se caído ao chão Com pouca democracia Inflando seu pulmão E em suas veias tensas A liberdade de imprensa Enfrenta bactérias de censura Que acirram os...

(foto marcelo casal jr – ag brasil) .Por Eduardo de Paula Barreto. Surgiram das pelancas muito flácidas De um corpo exótico claro e aviltante, No rol da imoralidade, vários súditos, Com o véu da falácia dos governantes. . E no horror...

(imagem: mohamed hassan + cor arte – pl) .Por Eduardo de Paula Barreto. Era uma vez um juiz Que como o ditado diz Era feliz e não sabia Ele arbitrava em Curitiba Como a figura mais temida Prendendo quem bem queria. . Certa vez o vírus...

(open clipart-vectors – pl) .Por Eduardo de Paula Barreto. Começa o esperado duelo De um lado o ex-juiz tirano E do outro escondendo um cutelo O líder dos cruéis milicianos Ambos armados com espingardas No gramado da Esplanada Se aproximam...

(foto CBMRO) .Por Eduardo de Paula Barreto. A ambição desmedida Transforma sonho em pesadelo Porque o que passa da medida Se torna mero exagero Moro estava sossegado Sendo por muitos considerado O semideus de Curitiba Mas bastou virar político Para...

.Por Eduardo de Paula Barreto. Não Consigo correr Tenho os pés presos na terra Se ao fogo eu sobreviver Sobreviverei às serras? Onde estão os macacos Araras, rãs e sapos Cadê a bicharada? Arde minha pele toda Enquanto o vento sopra Labaredas...

.Por Eduardo de Paula Barreto.   (imagem: prawny – pl) Ofereço este singelo poema aos profissionais de saúde que, apesar de todas as limitações impostas pelas autoridades públicas, cuidaram e têm cuidado de minha mãe...