Em São Paulo – O espetáculo “Helenas”, peça feminista da Cia de Teatro Os Satyros, abre a temporada de espetáculos de 2019 da Cia que, neste ano, comemora o seu 30º aniversário.

(Foto: Andre Stefano)

“Helenas”, com o Satyros Lab, grupo de estudo e pesquisa cênica da Cia de Teatro Os Satyros, está de volta a partir do dia 1/2, sextas, às 21h, no Satyros Um. O espetáculo, que estreou pela primeira vez em março de 2017, chega agora em sua sexta temporada e dará voz às mulheres, trazendo, mais uma vez, convidadas especiais durante as quatro apresentações.

O espetáculo criado a partir do Malleus Maleficarum – O Martelo das Feiticeiras traz à tona a opressão e a tirania dos homens sobre as mulheres durante centenas de anos. O Malleus Maleficarum era um manual da Igreja Católica (1486) com instruções para perseguir e torturar bruxas na época da Inquisição cujo conteúdo é um dos mais perversos e cruéis da história humana, a partir dele mais de cem mil pessoas foram acusadas de bruxarias, pactos com o diabo e heresias.

O Satyros Lab é grupo de estudo e pesquisa cênica da cia de teatro Os Satyros. Em 2016, o laboratório cênico apresentou “Os dias e as horas” (direção Eduardo Chagas), em 2017, sob a direção de Gustavo Ferreira, o grupo ficou em cartaz com as peças “Helenas” e “Faustroll [Um Romance Neocientífico]”, em 2018, com “Sonhos de Uma Noite de Verão” (direção Juan Sebástian Peralta) e HELENAS (direção Gustavo Ferreira).

A Companhia de Teatro Os Satyros foi fundada em São Paulo, em 1989, por Ivam Cabral e Rodolfo García Vázquez. Já com o primeiro trabalho, “Aventuras de Arlequim”, receberam o Troféu APCA de melhor ator (Ivam Cabral) e atriz coadjuvante (Rosemeri Ciupak), além da indicação ao Prêmio Mambembe de melhor texto (Ivam Cabral e Rodolfo García Vázquez). Mas foi em 1990, a partir da montagem “Sades ou Noites com os Professores Imorais”, que a companhia se tornaria nacionalmente conhecida.

Na época, o grupo assume a direção do Teatro Bela Vista e realiza diversas iniciativas culturais. É deste período a organização do “Folias Teatrais”, evento em homenagem à primavera, que deixa o Teatro Bela Vista aberto ininterruptamente durante 4 dias e 4 noites e, assim, pontua a resistência da cultura naquele difícil momento. Durante o evento, a companhia recebeu artistas de diversos lugares do País, das áreas de artes plásticas, teatro, dança, música, jornalismo e literatura.

Com a estreia de “Saló, Salomé”, em 1991, Os Satyros começam a definir uma linha própria de pesquisa. Depois de um ano em cartaz em São Paulo, o espetáculo é convidado a representar o Brasil em alguns festivais de teatro europeus: o FITEI, em Portugal, e o Festival Castillo de Niebla, na Espanha. Desta forma nasce a sede portuguesa do grupo. Instalados em Lisboa, Os Satyros produzem vários espetáculos e se apresentam em importantes teatros na Europa.

A partir de 1994, a companhia começa a trabalhar novamente no Brasil e elege Curitiba para abrigar a sua sede brasileira. Nesta fase o grupo trabalha intensamente entre Brasil e Portugal.

Em 1997, enquanto trabalham no eixo Curitiba-Lisboa-Berlim, Os Satyros são convidados a desenvolver trabalhos para a instituição alemã Interkunst. Em 2000, com a inauguração da sede paulistana da companhia na Praça Roosevelt, Os Satyros fecham as portas de seu braço português. Entre os anos de 2000 e 2005, quando deixa a direção do Interkunst, Os Satyros trabalham em Curitiba, São Paulo e em diversas cidades europeias, pois o trabalho da instituição alemã não se limita apenas às cidades alemãs.

Principais responsáveis pela revitalização da Praça Roosevelt – ao chegarem ali o local era considerado um dos mais perigosos do centro da cidade – Os Satyros têm realizado importante trabalho social. Desde a sua chegada à Praça Roosevelt, o grupo realiza, no início da primavera, a maratona cultural Satyrianas.

O evento que, durante 78 horas ininterruptas, oferece inúmeras atividades teatrais de acesso livre aos moradores da cidade, passou, a partir de 2009, a integrar o calendário oficial do Estado de São Paulo. Em sua última edição, a Satyrianas contou com a participação de mais de 2 mil artistas, ofereceu 600 atrações e atingiu um público de cerca de 60 mil espectadores.

Em 2011, após alguns trabalhos na televisão, séries e especiais, estende o seu braço cinematográfico com a produção do primeiro longa, “Hipóteses para o Amor e a Verdade”, que ficou em cartaz durante 8 meses. Em 2017 lança o seu segundo longa, “A Filosofia na Alcova”.

Em seu curriculum, Os Satyros produziram mais de 100 espetáculos, se apresentaram em 18 países e, das mais de 100 nomeações, receberam 47 prêmios – incluindo os maiores do teatro brasileiro, como APCA, Shell, Mambembe, APETESP e Governador do Estado do Paraná. (Carta Campinas com informações de divulgação)

SINOPSE

“Helenas” discute o empoderamento feminino a partir do Malleus Maleficarum – O Martelo das Feiticeiras, um manual da Igreja Católica (1486) com instruções para perseguir e torturar bruxas na época da Inquisição.

FICHA TÉCNICA

HELENAS, a partir de Malleus Maleficarum – O Martelo das Feiticeiras, de Heinrich Kraemer e James Sprenger

Direção: Gustavo Ferreira

Coordenação: Rodolfo García Vázquez

Elenco: Alessandra Nassi, Arthur Capella, Domingos Jr, Edemi Soares Jr, Elisa Barboza, Fabricia Mangolin, Heyde Sayama, Isa Cetraro, Ju Alonso, Karina Bastos, Safira Santos, Letícia Stamatopoulos e Maiara Cicutt

Assistência de Direção: Diego Ribeiro

Dramaturgia: Fabricia Mangolin, Ju Alonso, Maiara Cicutt

Cenário e Figurinos: Elisa Barboza, Fabricia Mangolin, Ju Alonso, Maiara Cicutt

Cenotécnico: Franja Cicutt

Sonoplastia: Alessandra Nassi, Isabela Cetraro

Iluminação: Diego Ribeiro e Gustavo Ferreira

Operador de som: Daniel Falcão

Operador de luz: Danilo Alonso

Divulgação: Elisa Barboza e Heyde Sayama

Assistente de Produção: Daniel Falcão

Produção Geral: Satyros Lab

Imprensa:

Elisa Barboza|+55 11983723093 | elisaprestupabarboza@gmail.comS

HELENAS”

Temporada: Fevereiro 2019

Quando: Sextas

Horário: 21h

Local: Espaço dos Satyros Um – Praça Franklin Roosevelt, 214 – Consolação – Sâo Paulol/SP

Duração: 60 minutos

Classificação: 16 anos

Valor do ingresso: R$ 30,00 (inteira) / R$ 15,00 (meia-entrada)/ R$ 10,00 (moradores da Praça Roosevelt)

Telefone para reservas: 11 3258 6345 / 3255 0994

E-mail: contato.satyros@gmail.com

Página: www.instagram.com/helenas_apeca