Por Raffaella Fernandez

sebastian-divulgaNa próxima quarta-feira, dia 9 de novembro às 20h00, Sebastian Marques lançará no Sarau da Dalva seu livro de poemas bilíngue intitulado “31 poemas para um amor”. Neste terceiro livro, o poeta do amor sutil, mamulengueiro, diretor de teatro e pesquisador assíduo da cultura popular nos conduz a fases e facetas do amor, revelando este sentimento como um melindre a bailar com os movimentos da lua.

Sebastian brinca com as palavras, direciona situações amorosas e outras nem tão amorosas assim, revivendo o desejo, a paixão, o amor incondicional, místico e erótico. São afetos e delírios transbordando devires perpassados por sua sensibilidade, sagacidade e voz poética empostadas numa teia quixotesca cíclica e tenaz.

Em tempos de amor romântico piegas, de relações marcadas pelas regras do consumo capitalista ou do poliamor fugaz, o poeta nos apresenta um amor liberto de rótulos, suave, livre que nutre os laços entre os seres ao invés de asfixiá-los. O amor em sua potência de maravilhas, como saúde e máquina de guerra contra as circunstâncias vigentes, aberto ao encantamento e arrebatamento do novo, sem medo. Um amor que não perde o sonho e contato com a realidade na figura de um gigante saudável e afetuoso.

Segue um pouquinho de suas palavras marejadas deste amor sutil, pleno, empático e sem anulação de si e do outro:

O amor é sagrado
Mesmo que indeterminado
Solo na busca de ancião
Avulso não por determinação
Mas pela força da fatalidade
É vivo é concreto é real
É quase memória perdida
É sonho de quem ainda palpita
Em busca de uma flor cigana
Ah! Mas se esta flor
É flor que não se cheira?
Mas o amor tem aroma?
Tem cor? Tem luz? Tem espírito?
Será que tem quatro filhos?
Quatro estações invertidas no tempo!
Quatro luas?
(minguante, crescente, nova e cheia).
E eu fico sem nenhuma!
O amor é um mistério
Que não se indaga

Nas quatro estações
De um jardim imaginário
Entre o ter ao não ter
Brotou uma semente celestial
Que permeia o onírico
Eterno cume dos meus pensamentos
Quando estamos a transcender
Todo o concreto
Tu vestes um blues
Fecundo as sete luas de um olhar infinito
Onde posso falar línguas
De homens e de anjos
Neste conflito consigo alcançar
Total liberdade ouvindo blues

En las cuatro estaciones
De un jardín imaginario
Entre el tener y el no tener
Germinó una semilla celestial
Que permea el onírico
Eterna cumbre de mis pensamientos
Cuando estamos a transcender
Todo lo concreto
Tú vistes un blues
Fecundo las siete lunas de una mirada infinita
Donde puedo hablar lenguas
De hombres y de ángeles
En este conflicto puedo alcanzar
Total libertad, oyendo blues

Move-te estruturas de ventos
Ata-me em tua cicatriz
Estradas, pontes e pó
Andar em lodo descalça
Vives em ameríndia
Me oculta nesta tatuagem
Acaso, fogo e alimento
Gravetos de fome sem cerimônias
Desenhas como vós sois
Nuvens cinzentas
De pelos espelhados
Santos sem fé
Rio pro mar e eu…
O luar é meu fadário
Muévete estructuras de viento
Lígameen tu cicatriz
Carreteras, puentes y polvo
Caminardescalza por el barro
Vives enamerindia
Ocúltameen este tatuaje
Azar, fuego y comida
Astillas de hambre sin contemplaciones
Dibujar como eres
Nubes grises
De velloreflejado
Santos incrédulos
Ríoal mar y yo
La luz de la luna es mi destino
Próximos lançamentos em Campinas:
09-11 Sarau as Dalva
20h00
Bar do Manoel
Av. Lafayete Arruda Camargo, 767
Parque São Quirino Fone 3296.4912
Face: Bar do Manoel- Estrela Dalva

16-11 Bar do Ademir
20h00
Av Santa Isabel, 1442
Barão Geraldo
Fone:3037. 4494
Face: Bar do Ademir-Barão Geraldo

19-11 Maloca Arte e Cultura
15h00
Rua Maria Pink 100
Vila União
Face: Maloca arte e cultura
Email: maloca.cultura@gmail.com